Categorias

6 diferentes tipos de combustível
30 mai

6 diferentes tipos de combustível

Estamos muito acostumados a falar da gasolina como se este fosse o único tipo de combustível para os carros, o que não é verdade. Existem substâncias de abastecimento para mover os veículos. São diversas as origens dos combustíveis e suas variações. Cada um serve a um tipo de motor e tem seus pontos positivos e negativos. 

Quer conhecer outras opções de combustível e ampliar suas possibilidades no universo dos carros? Acompanhe a leitura!

1. Gasolina

Vamos começar por ela, a tão famosa gasolina! Pertencente a classe dos combustíveis fósseis, ou seja, aqueles derivados da decomposição de animais e vegetais, a gasolina é um subproduto do petróleo. Ela pode ser dividida em quatro tipos.

Gasolina Comum

Tem em sua composição, regularizada por lei, uma taxa de 27% de álcool anidro, além de poder possuir no máximo 50 ppm de enxofre. A octanagem mínima (capacidade de compressão do combustível na alta temperatura sem que ele detone) é de 87 IAD (índice antidetonante). Sua coloração varia entre incolor e amarelada. 

A gasolina comum é recomendada para carros de menor performance, por ter um bom custo benefício em altas velocidades e menor custo por litro. Porém, é um combustível bem poluente. Além de fazer mal para a atmosfera, ao longo do tempo prejudica o próprio veículo, uma vez que deixa resíduos nas válvulas do sistema de combustão. Podendo prejudicar o desempenho do veículo e aumentar o consumo. 

Gasolina Aditivada

A gasolina aditivada é a gasolina comum que possui em sua composição agentes detergentes, que limpam o motor e mantêm a lubrificação do sistema, reparando os danos causados pela comum.

De coloração esverdeada, ela pode ser usada no automóvel cotidianamente ou de forma periódica para promover a limpeza dos resíduos deixados pela gasolina comum. Ao contrário do que muitos pensam ela não aumenta a potência do motor, mas gera economia e menos poluentes. É ideal para o “para e anda” das cidades. 

Gasolina Premium

A gasolina premium é mais nobre e mais cara do que as outras. Ela possui mais aditivos em sua composição, 25% de etanol anidro e sua taxa de octanagem mínima é de 91 IAD. 

Indicada para veículos esportivos de alta potência e taxa de compressão, a gasolina premium proporciona mais autonomia e desempenho, por conta da queima mais eficiente. Melhora a vida útil do motor e gera menos poluentes.

Porém, como mencionado, é um combustível direcionado para carros específicos. O alto investimento nesse tipo de gasolina não trará benefícios a seu carro popular, além dos aditivos que possui, pois o motor não é de alta compressão, assim ela atuará como uma gasolina comum.

Gasolina Formulada 

A gasolina formulada é um tipo de gasolina que não vem diretamente da refinaria do petróleo como as outras. Ela é feita a partir de uma mistura de derivados de petróleo combustíveis, seguindo as normas da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis).

Ela quase não possui diferenças com a gasolina comum, não dá nem para distingui-las a olho nu, mas os postos são obrigados a identificá-las. Se você adquiri-la em um posto de confiança pode usar com tranquilidade. 

O grande problema são as adulterações, uso de matérias-primas de baixa qualidade e proporções erradas que tornam o produto ruim para o carro, podendo gerar problemas como aumento do consumo (gasolina de baixa densidade) e formação de muito resíduo. 

2. Etanol

Também conhecido como álcool, o etanol é proveniente de fontes vegetais e é classificado como uma fonte de energia renovável. No Brasil, a cana-de-açúcar é a mais utilizada para sua produção, sendo considerada mais energética e econômica. É mais barato do que a gasolina, mas é consumido de forma mais rápida, por conta da alta taxa de evaporação (volatilidade). 

Etanol Comum

O etanol é incolor e de aparência límpida, o encontrado nos postos é hidratado, possui uma porcentagem de água na composição, o teor mínimo de álcool deve ser de cerca de 94,5%. O motor tem mais aproveitamento com o uso do etanol, por conta da maior octanagem, mas possui o problema do rápido consumo.

Etanol Aditivado

Assim como a gasolina, o etanol aditivado possui agentes detergentes que atuam na limpeza e proteção do motor e evitam o entupimento dos bicos, além de possuírem anticorrosivos para evitar ferrugem. 

Porém, o álcool produz muito pouco resíduo e os carros flex já possuem uma proteção anticorrosão, o que torna o uso do aditivo dispensável. Ele é um pouco mais caro do que o etanol comum, mas tem um rendimento em média 3% maior, gerando menos consumo e mais potência. 

3. Diesel

Mais um integrante do grupo de combustíveis fósseis, o diesel, que é derivado do petróleo, é o combustível mais consumido no Brasil. Isso mesmo, o título pertence ao diesel! Também conhecido como gasóleo, ele é utilizado no abastecimento de veículos pesados. No Brasil, uma lei de 1976 limita o uso do diesel a veículos de transporte coletivo e de carga, SUVs, off-roads e de tração 4x4.

O diesel precisa possuir em sua composição, atualmente, 10% de biodiesel, de acordo com a legislação brasileira. Também é composto por hidrocarbonetos, nitrogênio, oxigênio e enxofre. A autonomia dos motores a diesel é um de seus pontos fortes, ele também tem um baixo consumo e alto rendimento. O diesel possui algumas classificações de acordo com a quantidade de enxofre presente na composição. 

Diesel Comum ou S-500

É um diesel simples sem nenhum aditivo em sua composição, de cor avermelhada e com 42 no número de cetano (hidrocarboneto responsável por medir a qualidade da ignição do diesel). O S-500 representa a quantidade de enxofre por milhão, que é bem elevada, o que o torna mais poluente e grande gerador de danos ao próprio motor. Seu uso é recomendado apenas para veículos fabricados até 2012. 

Diesel S-10

O diesel S-10 possui a quantidade máxima de 10 mg/kg de enxofre e mais hidrogênio na composição, seu número mínimo de cetano é de 48. Sua cor é transparente e pode chegar a um amarelado. O S-10 é mais eficiente e menos poluente, já dentro das regras da Proconve 7. Sua tecnologia mais recente atende aos veículos fabricados a partir de 2012

Diesel Aditivado

O gasóleo aditivado possui em sua composição aditivos como anticorrosivos, detergentes dispersantes e anti-espumantes. Tais ativos começam a entrar em ação  na hora do abastecimento, reduzindo a formação de bolhas, gerando limpeza do tanque, evitando perda de volume e tornando o processo mais rápido. Pode ser encontrado nas versões S-10 e S-500.

Diesel Premium

O diesel premium também é disponibilizado nas versões S-10 e S-500 e  possui uma composição especial, com mínimo de 51 de cetano. Tal aspecto faz com que a qualidade de ignição e o desempenho sejam melhores, o que melhora também o tempo de retomada, além de melhorar a queima e a emissão de poluentes. 

4. Biodiesel

O biodiesel é um combustível proveniente da matéria orgânica, biodegradável  e renovável. Ele é mais limpo e por trás de sua produção há a ideia de que seja o substituto do diesel comum, ajudando na redução da emissão de poluentes.

 O biodiesel pode ser produzido a partir de diversos vegetais, como a mamona, o girassol, o dendê, a soja, entre outros, além de gordura animal, misturados ao metano (extraído da biomassa da madeira) ou etanol e um catalisador. Apenas veículos específicos conseguem ser totalmente abastecidos com ele e alguns outros conseguem recebê-lo parcialmente. Ele também é usado na composição do diesel, como visto anteriormente.

5. GNV

GNV é a abreviação de gás natural veicular, um combustível em estado gasoso extraído de rochas porosas e do subsolo, que pode ao não estar associado ao petróleo. Ele é formado por hidrocarbonetos leves, em especial o metano e o etano.

O gás natural é um dos combustíveis que menos polui. Não possui enxofre em sua composição e tem baixa emissão de poluentes. Além disso, ele tem um preço bastante atrativo, representando uma grande economia em relação ao etanol e a gasolina. 

Porém, o cilindro de gás ocupa bastante espaço gerando perda de espaço no porta-malas, além do carro perder potência. Automóveis que já vem de fábrica com o kit são ótimos, mas adaptar um veículo a esse sistema tem desvantagens. 

6. Eletricidade

A eletricidade é o combustível mais barato e o menos poluente que se tem hoje. Os veículos elétricos ganham no quesito ecologia desde de sua fabricação e durante o funcionamento ele também não gera poluentes no ar e nem ruídos.

A eletricidade move veículos de alto torque e potência. Contudo, o tempo de recarga demando é bem grande, o que é seu principal ponto negativo. Mas é possível abastecer o carro em postos de recarga, que são super rápidos.

Os carros movidos a eletricidade têm ganhado cada vez mais espaço no mercado, que caminha em direção a eletrificação da frota. Hoje em dia já é possível encontrar carros totalmente elétricos, chamados BEV (battery electric vehicle) e os HEV (hybrid electric vehicles) que são os híbridos, usam a eletricidade e o motor a combustão para se moverem. Tem também os FCEV (hydrogen fuel cell electric vehicle) que produzem a energia elétrica através de células de hidrogênio e oxigênio. 

Ter um carro pode custar caro! Além do combustível existem outras despesas que precisam entrar na sua contas. Baixe nossa exclusiva planilha comparativa e descubra quanto custa ter um carro e qual modelo é o melhor para suas finanças.  

  

VOLTAR AO INÍCIO